top of page

Crianças de 1 à 3 anos: o que fazer na fase do "não"!

Atualizado: 30 de ago. de 2022


imagem extraída de canva.com

Por Mariana Miguel

Psicóloga da Maternidade

@psico.marimiguel


Crianças com menos de três anos não entendem o “não” da maneira que a maioria dos pais pensa que entendem. (E uma compreensão completa do “não” não ocorre magicamente quando a criança completa três anos. É um processo de desenvolvimento.) “Não” é um conceito abstrato que está em oposição direta à necessidade de desenvolvimento das crianças pequenas de explorar seu mundo e desenvolver seu senso de autonomia e iniciativa.


Ah, seu filho pode “saber” que você não quer que ele faça alguma coisa. Ele pode até saber que você vai ter uma reação de raiva se ele fizer isso. No entanto, ele não consegue entender da maneira como um adulto pensa que entende. Por que mais uma criança olharia para você antes de fazer o que ela “sabe” que não deveria fazer, sorrir e fazer mesmo assim? Saber coisas quando criança significa algo muito diferente de saber coisas quando adulto. Sua versão de conhecimento carece dos controles internos necessários para deter seus dedos errantes.


Pesquisadores como Jean Piaget descobriram há muito tempo que as crianças pequenas não têm a capacidade de entender causa e efeito (uma excelente razão para não tentar dar sermões e convencer uma criança a fazer o que você quer – ou usar o castigo punitivo). Na verdade, o pensamento de "ordem superior", como entender as consequências e a ética, pode não se desenvolver até que as crianças tenham dez anos.

Erik Erikson , psiquiatra do desenvolvimento infantil, identificou as idades e os estágios do desenvolvimento emocional-social. Por volta de um ano de idade, as crianças entram no estágio "eu faço isso". É quando eles desenvolvem um senso de autonomia versus dúvida e vergonha. As idades de dois a seis anunciam o desenvolvimento de um senso de iniciativa versus culpa. É um trabalho de desenvolvimento da criança explorar e experimentar. Você pode imaginar como é confuso para uma criança ser punida pelo que ela está programada para fazer? Ele se depara com um dilema real (em um nível subconsciente): “Obedeço aos meus pais ou sigo meu impulso biológico de desenvolver autonomia e iniciativa explorando e experimentando meu mundo?”


Esses estágios de desenvolvimento não significam que as crianças devem poder fazer o que quiserem. Isso explica por que todos os métodos para obter cooperação devem ser gentis e firmes ao mesmo tempo, em vez de controladores e/ou punitivos. Este é um momento da vida em que a personalidade de seu filho está sendo formada e você quer que ele tome decisões sobre si mesmo que digam: “Sou capaz. Posso tentar, errar e aprender. Eu sou amado. Eu sou uma boa pessoa." Se você estiver tentado a ajudar seu filho a aprender por culpa, vergonha ou punição, estará criando crenças desanimadoras (um sentimento de culpa e vergonha) que são difíceis de reverter na idade adulta.


As três ferramentas de disciplina mais importantes para usar com crianças menores de quatro anos são supervisão, distração e redirecionamento. Mostrando-lhes o que fazer em vez do que não fazer (mostrando-lhes como tocar bem em vez de dizer: “Não bata.”) Durante os primeiros anos de vida, seu trabalho é manter seu filho seguro sem deixar seus medos desencorajá-los. Por esse motivo, a supervisão é uma ferramenta importante para os pais, juntamente com a gentileza e a firmeza ao redirecionar ou ensinar seu filho.


As crianças estão experimentando a individuação, aprendendo a se ver como seres separados e independentes. É um processo natural e saudável, mas muitas vezes difícil para os pais. Em certo nível, não demora muito para uma criança aprender o poder da palavra “não”, ou que, ao usá-la, pode provocar todo tipo de reações interessantes. Os adultos nem sempre podem evitar esses confrontos, mas mudar seu próprio comportamento e expectativas pode diminuir seu impacto.


Para ajudar uma criança a desenvolver autonomia em vez de dúvida e vergonha, e para ajudar uma criança de dois a sete anos a desenvolver iniciativa em vez de culpa, tente alguns dos seguintes métodos que convidam à cooperação:


1. Se você estiver gritando, berrando ou dando sermão... pare. Todos esses métodos são desrespeitosos e incentivam a dúvida, a vergonha e a culpa no futuro.


2. Diga o que você quer: na próxima vez que você começar a dizer “não” ao seu filho, pergunte a si mesma o que você quer que aconteça. Então diga ao seu filho o que você deseja.


3. Em vez disso, siga “sim”: muitos pais estão programados para responder “não”. Questione-se: por que não?


4. Tente distração e redirecionamento: de maneira firme e calma, afaste a criança do objeto proibido.


5. Em vez de dizer ao seu filho o que fazer, encontre maneiras de envolvê-lo na decisão para que ele tenha uma sensação de poder e autonomia pessoal. "O que devemos fazer a seguir?" (Para crianças pré-verbais, diga: "A seguir, nós _____", enquanto gentil e firmemente mostra a elas em vez de dizer.)


6. Seja respeitoso ao fazer pedidos. Não espere que as crianças façam algo "agora" quando você está interrompendo algo que elas estão fazendo. Pergunte: "Vai funcionar para você fazer isso em cinco minutos ou em dez minutos?" Mesmo que você ache que uma criança mais nova não entende completamente o que você está dizendo, você está se treinando para ser respeitoso com a criança dando escolhas em vez de comandos. Outra possibilidade é dar-lhe algum aviso. "Precisamos sair em um minuto. Qual é a última coisa que você quer fazer no trepa-trepa?"


7. Carregue um pequeno cronômetro com você. Deixe seu filho ajudá-lo a definir para um ou dois minutos. Em seguida, deixe-o colocar o cronômetro no bolso para que ele esteja pronto para ir quando o cronômetro disparar.


8. Dê-lhe uma escolha que requeira sua ajuda. "Será hora de ir quando eu contar até 20. Você quer levar minha bolsa para o carro, ou você quer levar as chaves do carro?" "Qual é a primeira coisa que devemos fazer quando chegarmos em casa, guardar as compras ou ler uma história?"


9.Crianças pré-verbais podem precisar de supervisão, distração e redirecionamento simples. Em outras palavras, como Dreikurs costumava dizer: "Cale a boca e aja". Silenciosamente, pegue seu filho pela mão e leve-o para onde ele precisa ir. Mostre-lhe o que ele pode fazer em vez do que ele não pode fazer.


10. Use seu senso de humor: "Aí vem o monstro das cócegas para pegar as crianças que não ouvem."


11. Seja empático quando seu filho chorar (ou tiver um acesso de raiva) por frustração com sua falta de habilidades. Empatia não significa resgatar. Significa compreensão. Dê um abraço em seu filho e diga: "Você está realmente chateado agora. Eu sei que você quer ficar, mas é hora de ir embora". Em seguida, segure seu filho e deixe-o chorar e ter seus sentimentos antes de passar para a próxima atividade.


12. As crianças geralmente percebem quando você fala sério e quando não. Não diga nada a menos que seja sincero e possa dizer com respeito. Em seguida, prossiga com dignidade e respeito — e geralmente sem palavras. Novamente, isso significa redirecionar ou "mostrar" a eles o que eles podem fazer em vez de puni-los pelo que não podem fazer.


13. Crie rotinas para cada evento que acontece repetidamente: manhã, hora de dormir, jantar, compras, etc. Então pergunte ao seu filho: "O que precisamos fazer a seguir em nosso gráfico de rotina?" Para as crianças mais novas, diga: "Agora é hora de _____".


14. Use a palavra “e” no lugar do “não”: “Eu sei que é difícil parar de brincar e é hora do jantar; eu entendo por que você prefere brincar do que ir para a cama e é hora de dormir; Você não quer escovar os dentes e eu não quero que seus dentes fiquem sujos. Aposto uma corrida até o banheiro”.


15. Entenda que você pode precisar ensinar muitas coisas ao seu filho repetidamente antes que ele esteja pronto para entender o desenvolvimento. Seja paciente. Minimize suas palavras e maximize suas ações. Não leve o comportamento de seu filho para o lado pessoal e pense que ele está bravo com você, mau ou desafiador. Permaneça o adulto na situação e faça o que precisa ser feito sem culpa e vergonha.


16. Entenda que sua atitude determina se você criará ou não um campo de batalha ou uma atmosfera amável e firme para seu filho explorar e se desenvolver dentro dos limites apropriados.


Tente dizer “não” somente quando for necessário nesses 3 primeiros anos de vida. Se você disser “não” com muita frequência, pode estar prejudicando o desenvolvimento normal (que é o de explorar) e criando disputas de poder desnecessárias.

Seu trabalho nessa idade é pensar em si mesmo como um treinador e ajudar seu filho a ter sucesso e aprender a fazer as coisas.


A segurança é um grande problema nessa idade, e seu trabalho é manter seu filho seguro sem deixar que seus medos o desencorajem. Por esse motivo, a supervisão é uma ferramenta importante para os pais, juntamente com a gentileza e a firmeza ao redirecionar ou ensinar seu filho. Por exemplo, os pais podem "ensinar" uma criança de dois anos a não correr para a rua, mas ainda assim não a deixariam brincar perto de uma rua movimentada sem supervisão porque sabem que não podem esperar que ela "compreenda " o que ele/ela aprendeu bem o suficiente para ter essa responsabilidade. Então, por que esses mesmos pais esperam que seus filhos "compreendam" quando dizem "Não"?


Quando você entender as fases de desenvolvimento e comportamento apropriado à idade, você saberá que seu filho não está tentando te desafiar. A necessidade neural de explorar da criança é muito mais forte do que seus avisos. O comportamento dela não é desafiador – é curiosidade mesmo! Uma vez que você entende isso, é muito mais fácil responder sem raiva ou castigo.




Extraído do livro “Disciplina Positiva de 0-3 anos”. Jane Nelsen, Cheryl Erwin e Roslyn Ann Duffy. Ed. Manole.




20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page