top of page

Violência obstétrica e a incapacidade de diálogo

Que bom te ver por aqui! A informação pode salvar vidas, e por isso vamos começar falando sobre Violência Obstétrica e a incapacidade de dialogar. Como herança das últimas décadas, acompanhamos o surgimento da medicina baseada em evidências e toda a revolução gerada a partir de então com esse norteador na tomada de condutas e criação de políticas públicas e protocolos institucionais.


Na criação das mesmas políticas, aqui falando especificamente daquelas voltadas à saúde da mulher, nos atentamos com maior cuidado a orientações e assistência de qualidade - o que para muitas regiões do país o “passar a ter alguma assistência” foi o mais próximo da humanização do cuidado.


Dito isso, precisamos entender o quão diverso e desigual é nosso país e como apenas falar em medicina baseada em evidências ou mesmo em violência obstétrica se distancia da realidade a qual profissionais e pacientes podem estar inseridos.


  1. Como é a estrutura física dos locais que prestam atendimentos às mulheres?

  2. Qual a demanda de atendimentos?

  3. Temos pessoal e equipes suficientes em número e qualidade para a assistência?

  4. O que é possível mudar a médio e longo prazo?

  5. Qual o nível de educação da população atendida?

  6. Questões meramente políticas?

  7. Questões para os conselhos profissionais?

  8. Questões históricas e sociais?

  9. Questões aos profissionais que podem atuar de forma consciente promovendo educação da população e mudanças pontuais conforme demanda da população adscrita?

  10. E a formação do profissional de saúde traz essas questões?


Do auge dos saberes talvez pouco se veja em forma de ação e daí a chamada ao título dessa narrativa que nos provoca o diálogo sobre a questão. Caso não haja diálogo entre todas as esferas, consciência para modificações seguras e sobretudo disposição para a ação, não veremos tantas mudanças. Eu espero e trabalho por mudanças e você?



Esse texto faz parte da Campanha #naLutaporGestar que tem o objetivo de combater a Violência Obstétrica através da informação.


Quer apoiar a campanha nas redes sociais?



2. Publique em suas redes usando #nalutaporgestar


3. Marque a @gestar.oficial



8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Opmerkingen


bottom of page