top of page

A preparação do períneo para o parto

Especialistas defendem que todas as mulheres deveriam dar mais atenção aos músculos do períneo. Independente do desejo de engravidar, há uma série de benefícios relacionados ao treinamento da região, confira abaixo.


Mulher-grávida-sentada-na-bola-de-pilates-fazendo-exercicio
Foto: LeoPatrizi/Getty Images
  • Desenvolve a consciência corporal e capacidade de contração correta;

  • Diminui as chances de desenvolver incontinência urinária;

  • Garante sustentação das estruturas pélvicas, reduzindo a pressão sobre a bexiga;

  • Diminui as dores lombares;

  • Previne dores perineais durante as relações sexuais.

Além disso, a Diretriz da Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu que as intervenções nos processos naturais do parto vêm interferindo no protagonismo da mulher.


Algumas recomendações da OMS para a hora de dar à luz são, entre outras: a escolha da gestante sobre posições para o trabalho de parto e para o nascimento; e a sua inclusão no processo decisório quando uma intervenção é desejada ou necessária.

Portanto, para alcançar os melhores resultados físicos e emocionais para a mulher e para o bebê, preparar o períneo pode fazer parte dessa experiência.


A Fisioterapia Pélvica dispõe de recursos para a preparação do períneo feminino para o parto. Consideram-se: as consequências da sobrecarga gestacional, os mecanismos de lesão e o tipo da musculatura envolvida.


Elencamos para você três abordagens que incentivam a flexibilidade e a resistência dos tecidos do períneo:


1) Massagem perineal


A massagem perineal é uma conduta que induz ao relaxamento muscular e melhora a irrigação sanguínea local. Recomenda-se que seja realizada em torno de 4 a 6 semanas antes do parto, pelo menos uma vez ao dia.


Uma recente revisão de ensaios clínicos randomizados (2020) investigou-se que a massagem perineal pré-natal poderia diminuir a incidência de trauma perineal. Concluiu-se que a abordagem diminuiu significativamente a necessidade de episiotomias e lacerações perineais.


A massagem perineal consiste em movimentos realizados com os dedos, que trabalham o canal vaginal e proporcionam auto percepção. O procedimento também pode ser usado para dissolver pontos rígidos ou fibrose, ocasionados por traumas prévios.


Alongar, dessensibilizar e facilitar o autoconhecimento são benefícios emocionais e físicos da massagem perineal. A conexão com o nosso próprio corpo e a confiança na hora do parto são os resultados desse trabalho.


A orientação de um profissional é importante para o passo a passo da conduta, que pode ser feita em casa.

Pode ser que você necessite de auxílio para a realização, dependendo do tamanho do seu abdômen na ocasião.



2) Epi-No®


Você já ouviu falar neste instrumento? O Epi-No® é um equipamento de origem alemã.


Trata-se de um pequeno balão de silicone, similar aos aparelhos para aferir a pressão arterial. O objetivo é o alongamento dos músculos do períneo feminino, treinando para o momento do parto.


As evidências científicas não são claras a respeito dos seus benefícios em relação à proteção perineal. Uma recomendação clínica (2018) concluiu que o uso do dispositivo não seria aconselhável para proteger o períneo. Enquanto outro estudo (2018) encontrou resultados positivos com o uso do Epi-No® na extensibilidade dos músculos do assoalho pélvico.


Para utilizar o equipamento, a mulher deve inflá-lo manualmente já introduzido no canal vaginal. Dessa forma, há o alongamento tecidual e a simulação da cabeça do bebê.

Depois de cheio, o dispositivo deverá ser expulso do canal vaginal. Mas não através de uma rigorosa contração; ao contrário: seguindo o relaxamento completo dos músculos vaginais e do períneo.


Quando não existir restrição médica, o dispositivo deve ser realizado diariamente e de acordo com a tolerância da gestante. O uso do Epi-No® necessita de orientação profissional para indicações corretas sobre o seu manuseio.


Ainda não há um grau de recomendação conclusivo a respeito da sua eficácia em relação à proteção perineal. De todo modo, é uma opção válida com o objetivo de oferecer flexibilidade ao períneo.


3) Exercícios para o períneo


Exercícios visando fortalecer a musculatura do assoalho pélvico possuem um alto nível de evidência para o tratamento da incontinência urinária.


Consistem em recursos fisioterapêuticos que facilitam a contração dos músculos do períneo, que podem ou não estar associados à respiração diafragmática e outras técnicas.

O treinamento dos músculos do assoalho pélvico também foi objeto de análise em uma recomendação clínica atual (2018). O intuito era avaliar a sua eficácia na proteção perineal no pós-parto.


Os dados não foram suficientes para recomendá-los como forma preventiva das lesões perineais obstétricas. No entanto, mostraram-se eficazes para diminuir a prevalência da incontinência urinária no período entre 3-6 meses do pós-parto.


Um grande desafio para os fisioterapeutas que atuam na Fisioterapia Pélvica é ensinar a contração voluntária correta do assoalho pélvico. E uma revisão sistemática nova (2020) analisou 10 métodos fisioterapêuticos que facilitariam essa tarefa.


Sem efeitos adversos, observou-se melhora na contração muscular com os vários métodos. Embora não se possa dizer que uma técnica tenha sido superior à outra.


A reflexão cabe ao fisioterapeuta especializado em avaliar cada paciente e individualizar as suas necessidades. Esclarecer a gestante e considerar a sua vontade na hora de escolher a intervenção adequada parece nortear uma boa decisão clínica.

Agora você conhece um pouco mais sobre os cuidados com o períneo feminino na gravidez. São muitas e, às vezes, longas informações!


Algumas condutas precisam de evidências científicas mais fortes e pesquisas mais robustas. Entretanto, parecem apresentar benefícios e ajudam o períneo pré-parto e durante o parto.


Sabemos que todo trabalho de parto é um momento singular e esperado. Mas também, é natural e individual. As tentativas para diminuir o trauma perineal e oferecer uma experiência positiva na hora do parto têm ganhado relevância. E, como resultado, favorecem nossa confiança em nós mesmas.


Gostou desse conteúdo? Na próxima quarta, teremos mais um post :) Continuem acompanhando o nosso blog e deixem suas dúvidas nos comentários para que possamos esclarecê-las!


Obrigada pela sua leitura!


Texto por Mônica Mello em parceria com Liris Wuo.



1.350 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page