top of page

Como realizar um desfralde respeitoso

Atualizado: 12 de dez. de 2023

Quando o assunto é desfralde, é muito comum uma pressa ou uma certa competição velada entre as mães, para ver se a criança está atrasada ou adiantada em relação ao desfralde.


Porém é preciso dizer que o desfralde não é uma simples aprendizagem. Ele fala de um processo de desenvolvimento e maturação neuro, fisiológica, psicológica e motora da criança. Sendo que este processo pode variar de criança para criança.


desfralde respeitoso

Em termos cronológicos, de forma geral, o processo de desfralde completo pode ser feito entre os dois anos e meio até os cinco anos de idade, aproximadamente.

Nesse sentido, um desfralde respeitoso e consciente é aquele que respeita o ritmo da criança, sendo o desfralde consciente um processo no qual a criança é a protagonista. Nele, o o adulto cuidador respeita o ritmo da criança.


Como realizar um desfralde consciente?


Antes de realizar um desfralde ou até mesmo outro processo com a sua criança, um ponto importante a se considerar é: as crianças tem ritmos diferentes. Portanto, nem toda criança, aos dois anos já terá completado ou iniciado seu processo de desfralde. Muitas crianças podem, inclusive, começar o processo de desfralde após os três anos de idade, o que não significa que estará em atraso no processo de desenvolvimento.


Então, “quando iniciar o processo de desfralde?” O desfralde deve ser iniciado a partir dos sinais de prontidão manifestados pela criança. Os sinais de prontidão são:


  1. Desejo de autonomia: a criança busca fazer atividades sem ajuda, ou pede pouca ajuda para fazer atividades. Como, por exemplo, busca vestir-se ou pentear-se sozinha

  2. Dizer não como sinal de independência. Nesta fase do desenvolvimento, a criança tende a dizer o que não quer e o que quer e isso é sinal de que está se individuando, ou seja, tornando-se uma pessoa separada da mãe ou daquela pessoa que faz a função materna

  3. Imitar os comportamentos dos pais ou cuidadores. A criança tende a imitar ações dos cuidadores como um sinal de identificação e ou de desenvolvimento.

  4. Conseguir puxar a roupa para baixo ou para cima, ou seja, a criança já está adquirindo capacidade de vestir-se ou de tirar a própria roupa.

  5. Boa capacidade de motora de andar e até de começar a correr.

  6. Verbalizar: a criança fala que fez ou quer fazer xixi ou cocô.

  7. Fraldas: fralda seca por aproximadamente duas horas ou mais. E, quando tira a fralda, a criança tende a fazer xixi, ou cocô.

  8. Desejo de ficar sem as fraldas.

Assim, para iniciar o desfralde consciente e respeitoso, é muito importante perceber e esperar os sinais de prontidão manifestados pela criança. E, a partir dos sinais da criança, iniciar o processo de desfralde.


Iniciando o desfralde consciente e respeitoso


Desfralde consciente é um processo no qual a criança é a protagonista. Assim, ao observar os sinais de prontidão da criança, um próximo passo é preparar o ambiente. Desse modo, o adulto responsável poderá guiar e orientar a criança em seu processo de desfralde.


Para auxiliar o processo de desfralde da criança, outro passo importante é preparar o banheiro, de forma segura, para que ela possa usar. Conforme a médica Maria Montessori, um dos pilares para educar a criança com autonomia, é ter um ambiente preparado e seguro. Assim, no banheiro, você pode colocar um banquinho, ou um degrau para que ela alcance a pia e ou o sabonete. Outra dica é colocar degraus para que ela alcance o vaso, coloque também redutor de assento, para que possa se sentar sozinha, com segurança.


Outro passo importante é explicar à criança como usar o “troninho” ou o banheiro. Dessa maneira, fale com a criança como será o passo a passo: abrir a tampa do vaso, sentar, fazer, usar o papel higiênico para se limpar, apertar a descarga, lavar as mãos e enxugar quando acabar. Uma dica importante é colocar no banheiro um desenho mostrando como usar o vaso.


E se o xixi escapar de dia? Um processo de desfralde e educação respeitosos, que consideram a autonomia da criança, não utilizam a punição. Portanto, se o xixi escapar, você não precisa punir, mas, pode e deverá mostrar que a criança precisa se limpar. Assim, sem agressividade, com afeto, estará ensinando à criança que as atitudes tem consequência.


E, em se tratando de desfralde, a consequência natural é fazer o xixi ou o cocô na roupa para que aprenda a utilizar o vaso sanitário. Ou seja, não é possível treinar a criança a tirar a fralda, estando ela de fralda.


Mas, e como agir com a criança nesses casos? O adulto pode agir naturalmente, sem brigar. Lembrando-se que sua criança está aprendendo e que acidentes fazem parte. Apenas oriente que é preciso lavar-se, enxugar e trocar de roupa. Um outro ponto importante para lembrar é: crianças não gostam de parar a brincadeira quando ela está prazerosa. Portanto, escapes de xixi porque não querem parar de brincar, são naturais. Portanto, muitas vezes, ao invés de perguntar à criança se ela quer ir ao banheiro, apenas diga: “está na hora de ir ao banheiro”.


E se o xixi escapar à noite? É muito importante ter em mente que, até os cinco anos de idade, aproximadamente, é natural a criança fazer xixi à noite. Passado este período, se os episódios de xixi noturno persistirem, buscar ajuda pode ser valioso. Uma dica para tentar evitar possíveis escapes é orientar à criança para fazer xixi antes de ir deitar. Mas, se ainda assim, ela fizer xixi à noite, dormindo, brigar será ainda pior.


Crianças estão em processo de desenvolvimento e aprendizagem, quando algo der errado, devem ser acolhidas e orientadas, com afeto. Dessa maneira, para um desfralde e uma educação conscientes, um passo importante é evitar comparações, cada criança é única.

Quando especialistas dizem que as crianças tem seu tempo, dentro das margens dos marcos de desenvolvimento, é verdade. Assim, permitir que o desfralde seja feito com calma e no tempo da criança, além de ser algo respeitoso, evita problemas futuros. Por vezes, pausas, ou retrocessos serão necessários e, portanto, devem ser olhados como parte do processo e não como atraso.


Por fim, se sentir dificuldades nesse processo e precisar de ajuda, agende uma consulta com um profissional da psicologia, ou um orientador parental.



 

Texto escrito por Roberta Grangel, Psicóloga parceira Gestar


41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page